@denybacellar

Últimas

Eu não sei lidar;


Eu nunca fui levado muito a sério.
Nunca tive uma ex fixa, ou uma atual.
Mil beijos – não consegui (nunca fiz questão.)
Uma aliança, uma serenata, também não.
Perdi o encanto de flerta.
Também o de compor.
Aquele de tentar.
O de fracassar, e o de conseguir.
Vontade não me falta, o que falta é ar.

Anúncios

lá ou aqui;


Do alto de todas as minhas perdas,
já estou confundindo eclipse lunar
com o entediante por-do-sol.
Do alto de todos os meus romances,
já estou confirmando que o amor é tão “idas e vindas” sabe!?
Por isso, estou indo.
Estou indo pra lá.
Enquanto isso o sábio Visconde,
me trás uma canção vaga na memória;
“Lá, pode ter um novo amor pra eu viver.”
Então não somos nós aqui, sou eu aqui, sou eu lá.
Claro Sr. Visconde (..)
Lá, eu posso tentar.
Lá, eu posso voltar.
Lá, eu posso gritar.
Lá, eu posso esperar.
Lá, eu posso ir atrás.
Lá, eu posso parar, posso ouvir.
Lá, eu posso correr.
Lá, eu posso esquecer.
Lá, eu posso nem se quer me importar.
Lá, eu posso viver.
Lá, eu posso encontrar outra guria.
Lá, eu posso amar.
Lá, eu tenho certeza que eu vou conseguir respirar.

“Tudo pode estar lá, e eu aqui.”
A dureza é que tudo aqui, está com vontade de te ter guria.

nem tudo é o que dizem;


Eu-le;(..) Dizem que tu tem o amor que eu preciso.
Ela; Dizem que tu não precisa de nada.
Eu-le; Dizem que todo ser precisa amar.
Ela; Dizem que você não quer amar.

Aí todos se calam.
Alguns começam a rir, blefando que sobrevivem sem amor.
Outros namoram quadrimensalmente.
E a sobra somos nós, que queremos o que não podemos ter.

Podemos viver como Jack e Sally se nós quisermos;


Acabei de me lembrar de um garoto que não sabia amar.
Ele tinha tudo, tudo o que devia ter,
tinha ela, mais não tinha sentimento, então ele não tinha tudo.
Até que ele improvisava bem, montava seu personagem,
e sempre foi muito sincero.
Lembro da namorada dele, uma guria linda.
Dizem que ela sofria um bocado na mão dele,
dizem que ele não dava o devido valor, a ignorava.
A relação dos dois foi tão complicada entre tantos vai e vem, entendem?
Sei lá, vendo em um outro ângulo diferente, parece aqueles filmes americanos,
ou como todo mundo já disse;
“A relação dos dois foi e ainda é uma novela mexicana.”
Porque quando ele ia, ela não estava.
Quando ele voltava, não encontrava ninguém.
Então ele respirava e ia novamente, daí ele avistava ela.
Em um certo tempo ele perdia de vista, então ele voltava ao mesmo lugar.
E na única vez que ela foi,
dizem que ela não encontrou sentimento.
Então ela se foi, criou uma personagem,
interpretou como seu melhor papel,
dizem que ela vive nele até hoje.
Cresceu tanto na cabeça, como na visão do mundo ou coisa e tal.
Ele apenas aprendeu que a falta dela é como tudo,
e que com tudo, tudo muda, ele muda, ele ama.
Ele descobriu o amor.

não pense em voltar;


Muito prazer, eu ainda procuro entender qual é o meu nome.
Estou bem, e pra falar bem a verdade senti saudades sim.
Eu vim aqui só pra agradecer, sua estadia.
Sei que tu não permitiu que eu invadisse assim teu coração.
E também peço desculpas, por ter feito algum estrago ou
ter tirados gritos aflitos de teu peito em tua outra relação.
Se me permite dizer, estou entusiasmado com sua presença.
Por isso quando tu se sentir só, me escreva uma carta!
Fiquei tanto tempo sem questionar a tradução de nós
que me dei conta, que não existe nós.
Não posso deixar tu abrir a boca pra falar de mim,
porque daqui a pouco tenho um compromisso.
E quando tu começa a falar, começa aparecer lágrimas,
começa a transbordar sentimento, começa a me encher de dúvidas.
Então peço provisoriamente que cale tua boca, e ouça com atenção.
Não finja que tu não sabe amar, porque tu sabe fingir,
tu sabe enganar, tu sabe me fazer sofrer, e tu sabe me fazer feliz,
entenda que nesse momento o mundo pode acabar.
Quero saber o que tu vai levar pro teu outro romance?
Será que vai se entregar impulsivamente como se entregou pra mim?
Vai gritar?
Vai viver?
Vai ver?
Vai sentir?
Vai sofrer?
Vai negar?
Vai mudar?
Vai ter?
Vai tentar?
Vai ser feliz, como não fomos um dia?
Sei que tu já foi, então apenas sorria.

Não me falta nada, não me falta você.

isso não é possível;


Eu disse; oi
Ela respondeu.
Então eu sorri, e ela me mandou pro inferno.
Eu não entendi.
Ela disse que era brincadeira e depois abriu um sorriso.
Eu correspondi com outro sorriso, esse de fato era um tanto falso.
Perguntei o nome dela.
E ela disse que me conhecia.
Perguntei a idade.
Ela se calou definitivamente.
Até achei estranho, e me calei também.
Tirei meu isqueiro do bolso, acendi um cigarro.
Ofereci um cigarro.
Ela aceitou.
Ela foi embora. (..)
(..) Passei semanas tentando esclarecer o que aconteceu.
Então decidi esquecer a quem eu nem conhecia.
E até aquele momento, achei que eu tinha conseguido.
Então, ela me disse; oi
E claro, eu respondi.
Ela se desculpou,
Eu mandei ela ir pro inferno.
Ela ficou tão confusa.
Eu disse que era apenas uma brincadeira, e depois abri um sorriso,
caótico de felicidade e psicodélico de ver ela em minha frente.
Me mandando ir para o inferno novamente,
ela disse que me amava.
Daí fiz um sinal de negativo com minha cabeça.
E fiquei repetindo igual um vendedor ambulante de ilusões,
que aquilo não era possível.
Ela se sentou, e também me pediu pra sentar.
Assim ela disse nome por nome, de todas as minhas ex-namoradas.
Com a minha cara de espanto ela caia na risada.
Me dei conta naquela hora o tão confuso que estava me sentindo.
Tirei meu isqueiro do bolso, acendi um cigarro.
Ofereci um cigarro.
Ela aceitou.
Dessa vez, ela ficou ali.
O mais engraçado dessa história,
é que; Cara eu nem fumo.

alguma coisa estampada no orgulho;


Encontro tempo para me fraquejar mais,
abrindo uma brecha cada vez mais longa no peito.
Digo que meus pensamentos não são mais os mesmo,
ou ainda são, que nada consegue quebrar minha máscara,
ou talvez tudo consiga, entende o que eu quero dizer, é dúvida meu bem.
Explico melhor, é incerteza, ou algo parecido.
Alguns sabem que somos assim, e não vamos mudar,
respiramos um ar indiferente,
tal que nos faz acreditar em nós mesmo,
bebemos uma água mais pura,
que nos faz sentir que o amor pode ser cedo, ou acontece agora.
Ferimos tal orgulho, que nos machuca em tantos instantes,
e sim, sentimos muito orgulho, por isso machucamos o tempo,
e com isso tu me fere em palavras ditas, e atitudes negadas.
Uma convicção que me fez desistir, e retornar a querer te ter, entende?
Fico imaginando, se tua máscara quebra,
se a minha cai no chão, e teu rosto estampa um amor,
que tal será correspondido no meu, como importa novamente o silêncio,
daí as feridas se tornam cada vez mais ausente,
o vento nos leva um de encontro ao outro,
a confiança some, a esperança reina.
Orgulho, orgulho meu, se faz presente na ironia que vivo dizendo,
ou na falta de compreensão de certas palavras?